RELACIONAMENTO E ESPIRITUALIDADE


Como o sexo está muito disponível a todos, as pessoas não estão se casando mais! Algumas têm sua vida sexual normal e se livram dos (supostos) 'inconvenientes' do casamento.

Muitos solteiros e jovens cristãos estão em pecado, por que tem sua vida sexual ativa, mas não estão casados; outros vivem juntos sem o compromisso diante da igreja e da sociedade, e permanecem assim - que seja eterno enquanto dure – uma filosofia humanista, secular, mundana.

Percebo que existe muita gente boa por aí, mas em pecado, e assim impedindo que sua espiritualidade cresça e as bênçãos de Deus venham sobre sua vida.

Mas existe um princípio fisiológico e psíquico envolvido em todo esse estilo de vida cristão, ou que se reserva para não ter relações sexuais fora do casamento.

Em 1 Coríntios 6:18 lemos– “Fujam da imoralidade sexual! Qualquer outro pecado que alguém comete não afeta o corpo, mas a pessoa que comete imoralidade sexual peca contra o seu próprio corpo.”

O que ´afetaria o corpo´ em um uma relação sexual fora do casamento? Como pecaríamos contra nosso próprio corpo ?

Entramos aqui em um assunto que é tabu ou um assunto que não se discute por normas rígidas – a virgindade.

Discutir virgindade em uma sociedade machista e erotizada como a nossa é motivo de piada, mas isso sob a ótica do cristão é um dever!

É sobre isso que iremos escrever nos 'posts' a seguir.

SEXUALIDADE DOS SOLTEIROS


Você já deve ter ouvido que entre homem e mulher acontece uma atração química, e se essa reação não ocorre, não são feitos um para o outro.

Essa química ocorre pelo mecanismo dos sentidos, que enviando estímulos visuais, de sons, toque, paladar ou olfativos, estimulam as áreas do cérebro responsáveis por essas ações através de pulsos elétricos; essa eletricidade percorre os neurônios no cérebro ativando outras estruturas, como o hipotálamo que é responsável por muitas ações de comportamento sexual.

No hipotálamo substâncias, chamadas de fatores de liberação e inibição irão estimular outras estruturas, como a hipófise, uma das principais glândulas responsáveis pelo comportamento humano; nesta glândula hormônios e pré-homônios são liberados para reger os sentimentos.

Esse é o caminho daquilo que assimilamos através dos sentidos, seja para o sexo oposto ou para milhares de atividades durante o dia.

No caso da atração sexual, a química de homem e mulher, ainda passa por estruturas de seus órgãos sexuais, testículos e ovários, para produzirem o estradiol na mulher e a testosterona no homem.
Esses dois hormônios têm flutuação em sua produção devido a fatores psicológicos, comportamentais e ambientais.

A testosterona é o hormônio do desejo sexual no homem e o estradiol atua na libido da mulher.

Se tirarmos essas duas substâncias da fisiologia dos sexos, os adultos perpetuariam um comportamento ambissexual, como as crianças, que apesar de caracterizadas anatomicamente e psicologicamente como macho e fêmea, não possuem comportamento sexual amadurecido.

Assim percebemos como nossos sentimentos, paixões, desejos e o apetite sexual são resultado de substâncias, como os hormônios e outros fatores, que determinam o ritmo da vida.

O sistema compensatório ou de recompensa no cérebro, determina o nível de prazer dessas relações sentimentais. A dopamina, uma substância produzida na glândula adrenal, é responsável pela sensação de prazer que o cérebro, ou nós mesmos, experimentamos e que causa o torpor do prazer.

Excesso ou concentrações variadas de nor-epinefrina e falta de serotonina, determinam a fórmula da paixão, aquela sensação desesperadora em desejar ver a pessoa, estar ao seu lado, toca-la e beija-la!

Ao visualizarmos esta pessoa, já são enviados ao sistema compensatório, estímulos que desencadeiam o mecanismo de recompensa; e outras substâncias entram em cena, como a adrenalina; depois de tocarmos a pessoa, abraça-la e estarmos próximos, a oxcitocina, serotonina; e endorfinas conferem aquela sensação maravilhosa de carinho, paixão e felicidade.

Cada sentimento tem sua fórmula com essas e outras dezenas de substâncias, em concentrações e variantes múltiplas. A oxcitocina é a principal substância responsável pelo prazer feminino; a testosterona a principal para o desejo sexual masculino.

E assim todos os nossos sentimentos são nada mais nada menos que formulações de substâncias químicas, produzidas em nosso organismo.

As coisas relativas ao sexo oferecem um coquetel maravilhoso para o cérebro, e quando estamos apaixonados, amando ou em atividade sexual, estamos dopados por nosso parceiro.

O amor eros também tem sua fórmula e é despejada na corrente sanguínea alcançando o sistema compensatório no cérebro, isto depois de muitas exposições visuais da pessoa amada, e principalmente experiências profundas envolvendo o toque, paladar e olfato – a relação sexual. Ela é uma das maiores experiências compensatórias que o cérebro pode usufruir (de forma natural).

Poderíamos classificar o sexo como o elemento que irá unir as duas pessoas em um só sentimento – o amor Eros; “o homem... apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” Gênesis 2:24.

Por outro lado, as experiências sexuais furtivas causam sério dano a psique de homem e mulher, e viciam o sistema compensatório através de um comportamento muito conhecido – a infidelidade!

Cabe a nós aqui uma séria reflexão daquilo que vemos, ouvimos e expomos nossos sentidos, nas coisas relativas ao sexo. Quantas exposições são feitas à nossa mente, e quão impressivas são essas experiências; por isso temos tantas recomendações bíblicas quanto às questões sexuais e sentimentais.

ESTOU SOZINHO, E AGORA?











“E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só...” Gênesis 2:18

Mas esse não é o fim! Isso é o começo - pois para começar uma relação, basta estar sozinho.
E se você está solteiro, sozinho, 'encalhado', esperando alguém... você potencialmente é o próximo a namorar - afinal: para começar um namoro, é preciso antes, que você esteja só.

O nosso século 21 tem imposto sobre a mente do cristão, valores e conceitos que dificultam o acesso aos corações ou nos 'blindam' para as relações afetivas com aqueles que estão ao nosso lado.

Conceitos como a "ditadura da beleza" (parafraseando o Dr. Augusto Cury - Ditadura da Beleza, Editora Sextante), o consumismo, materialismo e a massificação da mídia etc, tem formatado nossas mentes e nos levado a ficar só.

Se você esta só, a probabilidade de que você esteja sozinho por escolha própria é de 70%.

O quê? Você esta sozinho por que escolheu ficar solteiro? Será?

Pense consigo mesmo. Quantas pessoas já tentaram, ou você mesmo, já tentou iniciar uma relação.   Pense.

Faça uma lista de dez pessoas (incluindo as que você "acha" feia, inadequadas, sem futuro, desajeitadas etc) que já tentaram entrar em um relacionamento com você. Faça isso agora... pegue papel e caneta, ou abra um bloco de notas ai no celular, vamos lá! Faça já.

Agora conte quantas dessas dez pessoas, você dispensou ou ignorou por que eram "isso ou aquilo" - feias, inadequadas, sem futuro, desajeitadas etc.

Pessoas são seres humanos. Elas não são objetos para serem consumidas ou compradas por um rótulo (feinha, magricela, gordinha, baixinha etc.) Você vai ver que você dispensou na média 70% delas porquê julgou inadequada.

Jesus disse: "Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também" Mateus 7:1 e 2.

E assim um ciclo sociológico se estabelece, onde um julga o outro como "inadequado" para namorar ou casar...

Ai fica todo mundo sozinho, e se perguntam: Estou só, e agora?

Permita-me dar uma sugestão, pegue sua lista (complete com outros nomes) e faça um levantamento de quem está disponível. Ore e peça a Deus para te iluminar, tire a "trave do seu olho" para enxergar melhor as pessoas.

Uma dica - dê prioridade para aquelas pessoas que afirmavam amar você. E ignore os supostos defeitos. Faça uma avaliação espiritual; se a pessoa é espiritual, os defeitos poderão ser trabalhados com comunhão e oração.

E partir daí se aproxime da pessoa e sem preconceitos, permita-se ser amada(o).

Segue uma lista de 10 fatores e objeções comuns que as pessoas fazem para não entrar em um relacionamento, e que são argumentos falhos:

1. Ele(a) não tem posição social - ser da classe baixa, média ou alta não deveria determinar uma relação - todas pessoas são capazes de amar.

2. Ele(a) não tem dinheiro - planejamento deve existir, mas não seja neurótico(a). Todas as pessoas são capazes de trabalhar e vencer na vida.

3. O que vão pensar de mim? - essa é uma objeção colossal. Não se importe com o que irão falar ou pensar do seu relacionamento - a vida é sua.

4. Aparência - não avalie as pessoas pela aparência, você poderá cometer erros imperdoáveis, que talvez nem mesmo você se perdoe no futuro.

5. Personalidade - assim como devemos ser cuidadosos para não entrar em uma relação com pessoas incompátiveis, não devemos ser apressados em descartar aquelas que aparentemente são 'sem graça'.

6. Mídia - os padrões de filmes, novelas e revistas são ilusórios. Não espere um príncipe ou que sua relação seja uma comédia romântica...

7. Atração sexual - a química sexual é importante mas não é tudo.

8. Fé - o único ponto inegociável em uma relação é este. Se um pretendente é um genuíno cristão, a probabilidade de sucesso no seu relacionamento é alta.

9. Padrões - é bom ouvir o conselho dos pais, mas há padrões que podem atrasar sua vida emocional. Por exemplo: só namorar com alguem que esteja fazendo faculdade; só namorar alguem que tenha carro e casa própria etc.

10. Deus - não pense que Deus fechou as portas para você. Deus é o maior interessado em sua felicidade. Deus é que 'doura' nossos sonhos. Nós é que frustramos os planos de Deus.

Uma das coisas que mais prendem homens e mulheres, moços e moças no mundo é o sexo ou o relacionamento que estão cultivando.

Não somos ´ilhas´ e viver sozinho não é bom, e isso tem levado os jovens e solteiros a uma grande busca do companheiro perfeito.

O namoro ou o relacionamento é essencial para jovens e solteiros, pois nos permite conhecer a pessoa. Esse tipo de relacionamento antes de se casar é tão importante que pode determinar a felicidade e o sucesso no casamento. É aqui que conhecemos a pessoa, seu caráter, sua personalidade e temperamento. Esse conhecimento determina a felicidade futura.

Mas os relacionamentos atuais são formados com base em um conceito do mundo (atração sexual) e é esquecido de avaliar outras coisas que são importantes – quais os sonhos, realizações, perspectivas, espiritualidade, personalidade e amor à família etc.

Quem não avaliar esses fatores na pessoa que está desenvolvendo um relacionamento, está arriscando a felicidade futura.

Hoje os casamentos estão fracassando porque outras prioridades foram colocadas – o prazer, a beleza e o dinheiro. Conheço inúmeras pessoas, que se importaram somente com a aparência e beleza da pessoa e se esqueceram de avaliar a personalidade, e o resultado foi desentendimento, brigas e separação.

Há os que só pensam em dinheiro, e se ligam a aqueles de boa condição financeira; se não for rico... nem olha. Mas quando no casamento a personalidade e o temperamento se manifestam, a vida se torna um incômodo ou muitas vezes um pesadelo. Algumas pessoas fogem destas situações através da infidelidade, trazendo mais problemas e pecado a sua vida.

Mas há os que por fatalidade estão juntos; isso acontece entre os cristãos; aventuram-se no sexo, a garota fica grávida e aí a consciência (corretamente) os leva ao casamento... o casal (há exceções) acaba tendo crises espirituais e no relacionamento.

Outras se ligaram pela química da atração e discutem o tempo todo por incompatibilidade de planos, personalidade, idade etc; um quer estudar outro quer ficar em casa e fazer uns bicos de vez em quando; um possui uma personalidade forte o outro é sensível, e suas vidas são uma eterna oposição.

O que tem nos levado a esse tipo de situação precipitada, trata-se do fator sexual tão presente em nosso século. Quando deixados a se levar apenas pela sexualidade não percebem certas coisas no companheiro. A excitação que o sexo oferece acaba os dominando; mas você pode estar argumentando, que não estamos o tempo todo pensando em sexo!

Mas a Sexualidade em nossos dias não envolve apenas os momentos de intimidade; é um estilo de vida, que se veste para o sexo, se pensa em sexo, se diverte com o sexo, se explora o sexo na mídia, enfim estamos em um século sexualizado!

MASTURBAÇÃO


A excitação e a busca pelo orgasmo por auto manipulação dos genitais é um hábito pecaminoso e um artifício fisiológico não saudável.

Primeiro – pecaminoso porque rompe com o objetivo Divino para com o homem desde a criação quando Ele ordena – “crescei e multiplicai-vos”, implicando no mecanismo sexual a dois, e obviamente no prazer a dois. Usar do hábito da masturbação é pecado porque viola o sagrado propósito do sexo em partilhar da experiência sexual e do prazer entre homem e mulher.

Jesus foi explícito na declaração sobre cobiçar uma mulher (ou homem) através do desejo sexual - “Eu porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela” Mateus 5:28 – fazendo uma direta indicação do sétimo mandamento, o mandamento relativo ao sexo. Olhar, desejar e cobiçar de acordo com Jesus é pecado; ir alem disso e se excitar e buscar o prazer do orgasmo nesta imaginação cobiçosa, também é pecado.

Segundo – é um artifício fisiológico não saudável porque vicia e leva a distúrbios sexuais (parafilias) através de comportamentos alterados, mesmo se o individuo posteriormente tiver uma vida sexual normal a dois.

Os psicólogos e terapeutas sexuais não cristãos recomendam e até indicam a masturbação em tratamentos. Vale lembrar que o estilo de vida de pessoas descrentes, ou não comprometidas com princípios do evangelho, não são parâmetros para a vida do cristão. Isso é a falsa ciência. A verdadeira ciência é aquela que vai em direção dos princípios da Palavra de Deus.

A masturbação vicia porque envolve mecanismos semelhantes, mas não sendo os mesmos daqueles do sexo. O individuo que se masturba se utiliza da visão (ou imaginação) para se excitar e das mãos para manipular os órgãos sexuais (pênis – homem; clítoris – mulher).

No sexo normal entre homem e mulher, as variantes de excitação são numerosas – beijos, carícias, toque, abraços, posições, visualização real, audição, penetração etc.

Todo ato sexual ocorre além do contato físico, mas principalmente a nível cerebral – no hipotálamo – mediado por neuro-transmissores, que são drogas potentes (dopaminergicas) ou que ‘dopam’ literalmente a pessoa. Daí sermos viciados em sexo – os que tem uma vida sexual ativa – e isso ocorre com os que se utilizam da masturbação.

No entanto na masturbação as vias neurais que são utilizadas no hipotálamo são diferentes daquelas do sexo a dois. Os caminhos neurais, trilhas neuronais que são utilizadas são rotas diferentes nas duas situações.

As trilhas neurais do sexo a dois são maiores em número de neurônios e mais complexas; pela simplicidade do ato da masturbação, as trilhas são diferentes e menos complexas.

São experiências diferenciadas a nível cerebral; embora ambas partilhem do hipotálamo e mediadores químicos parecidos. O orgasmo da masturbação é o mesmo da relação sexual, mas a intensidade e a experiência ‘virtual’ a nível de cérebro se diferencia da experiência real da relação sexual.

Aconselhei por e-mail uma jovem casada que desde os 10 anos se masturbava; e seguiu assim sua rotina no hábito de procurar excitação e orgasmo se auto-estimulando. Ela por fim se casou e teve uma vida sexual ativa.

No entanto declarou que não sentia prazer na relação de penetração, como sentia na masturbação. Ela tinha orgasmos com o marido na relação sexual a dois, mas ao terminar se masturbava ao lado do marido. Disse que o prazer da masturbação era diferente. Por isso tinha sua rotina de masturbação paralela, à vida sexual.

Essa jovem tinha priorizado em seu cérebro, por uma década, rotas neurais que desencadeavam uma intensidade e experiência orgástica; ao iniciar sua experiência sexual a dois, novas rotas neurais foram inauguradas.

Apesar de ter sido os caminhos neurais para o sexo, elas não eram as principais e prioritárias para seu cérebro.

Em outra situação, conversei pessoalmente com um jovem que estava casado a 5 anos. Porém se utilizara da pornografia e masturbação por 15 anos. Ele relatou não ter prazer com a esposa na relação sexual de penetração. E pedia para a esposa ou ele mesmo se utilizar da masturbação para sair satisfeito na intimidade a dois.

O que ocorria em ambos os casos? O cérebro priorizava a experiência anterior; as trilhas neurais desenvolvidas por dezenas de anos, eram prioritárias sobre a nova experiência. O hábito de se masturbar oferecia mais prazer (intensidade) apesar da relação sexual oferecer uma experiência mais rica e plena.

TRILHAS NEURAIS NA MASTURBAÇÃO


No início de qualquer vida sexual, sendo ela o amadurecimento natural dos órgãos sexuais, os primeiros conceitos e a reação fisiológica do corpo, relacionamentos etc, cada indivíduo cria um patrimônio sexual virtual em seu cérebro.

As potentes drogas que são despertadas nesta fase e começam a ser lançadas na corrente sanguínea, mudando comportamento, gostos e preferências, são drogas endógenas poderosas. Utilizar esse período com a experiência da masturbação, irá apenas fortalecer as rotas neurais e priorizar o hábito para a obtenção do orgasmo.

Qualquer experiência dos humanos envolvem diferentes níveis no cérebro; a nível de tecido cerebral (o tecido do hipotálamo), celular (neurônios), molecular (as drogas) e físico (os elétrons).

A imagem de uma mulher (ou homem) desejada(o) ao ser projetada no cérebro desencadeia um turbilhão de elétrons (eletricidade de baixa voltagem) a percorrem os neurônios do tecido do hipotálamo.

No interior do tecido, as trilhas são sulcadas pelos eletros que passam por ali; a memória nada mais é do que trilhas neurais repetidas e priorizadas pelos hábitos e preferências.

É aqui que ocorre o vício; é natural o vício a nível fisiológico.O que não é natural são as formas pelas quais tais vínculos são realizados. A criação de homem e mulher determinou como deveriam ocorrer tias eventos fisiológicos.

A forma anti-natural é uma alteração daquilo de que fomos projetados.

Adolescentes e jovens que se utilizam da masturbação podem ter mais problemas de adaptação sexual posteriormente em suas vidas sexuais futuras, do que aqueles que nunca se utilizaram dela.

A prática da masturbação NÃO habilita ou oferece melhor preparo para a vida sexual futura; ao contrário, determina mecanismos fisiológicos que atrapalharão no transcurso natural do amadurecimento sexual.

A verdadeira educação sexual é através do diálogo, informação e observação do relacionamento familiar saudável, onde os filhos aprendem a amar com o exemplo dos pais.

É uma falácia afirmar que praticando a masturbação você conhece melhor o seu corpo; porém é uma grande e monumental verdade que ela leva você a apreciar melhor o seu corpo; isto porque o vício fisiológico é fortalecido no prazer egoísta.

Isso porque o sexo é oferecer prazer ao companheiro sexual, onde a masturbação falha e determina o contrário na mente do individuo. O jovem que a pratica está programando seu cérebro para o prazer individualista e para uma relação egoísta da busca pelo próprio prazer.

Fomos criados para dividir e oferecer o prazer.

DEIXANDO A MASTURBAÇÃO


Aqueles que são cristãos devem ter uma consciência de que o hábito da masturbação é pecaminoso; atinge o mandamento do sexo (sexto mandamento - Ex 20.14, e altera nossas faculdades sexuais a nível de cérebro.

O nosso corpo é templo do Espírito Santo. O reino que Jesus Cristo inaugurou, está dentro de nós (I Coríntios 3:16), onde o Maravilhoso Conselheiro (Isaias 9:6) faz sua habitação e templo.

As coisas impuras que envolvem o pecado não devem dividir o espaço com as coisas puras em nossa mente. Por isso Paulo aconselha – “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é PURO, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” Filipenses 4:8.

Deus não quer nos privar de nada; pelo contrário Ele quer que seus filhos tenham experiências (sexuais) intensas e felizes. O que ele nos priva é da má experiência, que irá nos levar uma vida infeliz.

O primeiro passo para se deixar da masturbação é seguir o conselho de Paulo ao jovem timóteo – “Foge, também, das paixões da mocidade” 2 Timóteo 2:22.

Coisas como a pornografia, namoro com carícias, ‘ficar’, filmes com cenas de nudez ou cenas de sexo ‘leve’, conversas estimulantes em chat´s, exibição e apreciação da nudez de outras pessoas por WebCam, fotos eróticas via WhatsUp ou exposições vulgares no Facebook – a lista é longa ... enfim tudo isto seria ‘fugir’ da imoralidade sexual na atualidade. Tais coisas irão alimentar sua imaginação e estimular você à masturbação.

Segundo, pratique um tipo de esporte. Os rapazes podem aumentar os dias que jogam futebol, vôlei e basquete; as moças podem ir para a natação, fazer caminhadas ou corridas leves (consulte um profissional de Ed. Física).

Os hormônios são grandes geradores de energia; se essa energia não for gasta ela se transforma em ‘tensão sexual’. O desejo sexual assim será estabilizado e você se sentirá muito melhor.

Terceiro, mude sua dieta. A ‘tensão sexual’ é provocada pelo acúmulo de energia, que é desencadeada pelos hormônios sexuais. Assim se você tiver uma dieta mais natural, irá evitar o excesso de produção hormonal.

A alimentação natural (muita fruta, legume e verduras cruas) irão oferecer o mesmo suporte nutricional com menos colesterol – essa substancia é a base de todo hormônio sexual. Evite os alimentos derivados de animais – carne vermelha e ovos principalmente. As moças terão um benefício extra com a melhoria da pele; as espinhas tanto em rapazes e moças, irão diminuir.

Se você seguir esses três passos, irá cooperar com a maravilhosa graça Divina que já opera em você. Deus já está operando em sua vida, no entanto ao nos expormos ao pecado, anulamos a ação Divina em nossa vida – “nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade” Romanos 6:13.

Se você cair, lembre-se – “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo. E ele é o pagamento pelos nossos pecados e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo” I João 2:1 e 2.

Não faça do pecado um hábito em sua vida; o pecado é um acidente na vida do cristão – “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; porque a divina semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus” I João 3:9.

Particularmente, penso que a exposição a imoralidade, é o grande fator estimulante a masturbação. Sendo assim evite e ‘fuja’ das situações que irão estimular os pensamentos imorais.

"Já que vocês são o povo de Deus, não esta certo que a imoralidade, a indecência .. sejam, nem mesmo, ASSUNTOS DE CONVERSA entre vocês. Estejam certos disto: nenhuma pessoa imoral, indecente ... jamais receberá a sua parte no reino de Deus" Efésios 5:3-5

Que a Graça do Senhor Jesus Cristo esteja com você.